Você está aqui: Página Inicial Dossiê Técnico

Produção de chás e extratos de plantas medicinais

Resumo

A utilização de plantas medicinais e a fitoterapia encontra-se em expansão em todo o mundo, consistindo em um mercado bastante promissor. Desde 1995, muitos esforços vêm sendo empreendidos no país visando o aprimoramento desse setor. Mais recentemente, uma resolução instituiu e normalizou o registro de produtos fitoterápicos junto ao sistema de Vigilância Sanitária e recomendou a preparação de medicamentos com diferentes espécies como, por exemplo, a alcachofra, alho, babosa, calêndula e camomila. Produtos à base de plantas medicinais também são comercializados no Brasil como alimentos e para esses produtos, não são exigidos teores mínimos de constituintes químicos característicos da espécie vegetal, como são para a comercialização da planta como medicamento. Apesar do grande interesse e dos desenvolvimentos tecnológicos na área, a qualidade dos produtos comercializados no Brasil é muito precária. É importante, portanto, a divulgação das técnicas disponíveis para a preparação desses produtos, desde o cultivo das plantas até as formas de comercialização dos chás. Neste texto são descritos, de forma generalizada, alguns conceitos, procedimentos e técnicas utilizadas para a obtenção de chás e extratos de plantas medicinais dentro dos padrões de qualidade exigidos pelos órgãos oficiais, principalmente a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O objetivo é esclarecer sobre os passos que devem ser seguidos para a obtenção de matéria-prima vegetal de qualidade e estimular a sua produção.

Assunto

Fabricação de medicamentos fitoterápicos para uso humano

Palavra(s)-chave

Chá; extrato; extrato vegetal; flora medicinal; planta medicinal; produção; produto fitoterápico

Instituição Responsável

IEL/MG Instituto Euvaldo Lodi - Regional Minas Gerais

Código do Dossiê

175

Data do Dossiê

29/08/2007

Download do Arquivo

Arquivo

Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas
Este sítio possui os direitos reservados © 2009-2009 pelo SBRT